top of page

Resenhas sobre "A guardiã dos segredos de família"


A guardiã dos segredos de família, de Stella Maris Rezende Isabela Lapa
As pessoas costumam dizer que nós somos reflexo do meio em que vivemos. Por incrível que pareça, eu não concordo com isso! Acredito que somos reflexo das escolhas que fazemos diante de cada situação, afinal, ir ou ficar, mudar ou aceitar, só depende da nossa cabeça e da nossa força de vontade. Outra frase que sempre ouço por aí é que temos que escutar a opinião dos mais maduros. Porém, qual o conceito de maturidade? Enquanto para muitos a maturidade é adquirida com a idade, para mim, ela vem com as vivências e experiências. Eu disse isso só para explicar que enquanto eu lia a fabulosa história da menina que guardava os segredos da família, descobri que não estou errada na minha forma de pensar: tudo depende das nossas escolhas e o amadurecimento aparece conforme as experiências e as necessidades. Descobri isso porque Nenenzinha, nossa protagonista, com apenas treze anos de idade, fez uma escolha que mudou a sua vida: saiu de casa para cuidar de quatro sobrinhos mais novos (Célia, Chiquito, Niquinho e Quinzinho) que perderam os pais e foram viver na casa de um tio. Porém, a esposa do tio, dona Delminda, era uma mulher muito má e exploradora, que negava comida às crianças e exigia muito trabalho delas. Ao chegar no local, de forma discreta e inteligente, Nenenzinha começou a mudar a rotina dos pequenos, oferendo mais comida e também um pouco de diversão. As suas artimanhas se tornaram ainda mais eficazes quando ela descobriu segredos de Delminda, afinal,por meio deles e sem revelá-los, ela obtinha vantagens. Sem saber do que Nenenzinha realmente sabia, Delminda se sentia amedrontada e cedia aos seus pedidos. Em meio a isso, com uma sensibilidade incrível e uma maturidade peculiar para a idade, nossa jovem protagonista transformou a vida de todos que a rodeavam e deixou uma lição de coragem e determinação. Minhas Impressões: Quem acompanha o site já sabe que eu considero a Stella uma exímia contadora de histórias. O que me encanta nos seus livros é que mesmo sendo para jovens, eles trazem pedaços da realidade, mostram as dores, as dificuldades, os dissabores e os temores, afinal, a vida não é nenhum conto de fadas e não teria a menor graça se fosse! Além do conteúdo, todos os seus livros se destacam pela linguagem aprimorada, cuidadosa e sensível. Stella consegue detalhar os personagens, os ambientes e os acontecimentos de uma maneira diferenciada e completa, tornando a leitura doce e agradável. Um destaque nesse livro é que os acontecimentos não foram apresentados de forma cronológica. Muitas vezes a história volta no tempo para incluir informações e detalhes, o que contribui para despertar a atenção e o interesse pelo destino dos nossos queridos personagens.
"Restou uma família bem destroçadinha. Sem casa, sem muros. Mas, antes da inundação, muita coisa aconteceu."
Sem dúvida um livro impecável, delicado e marcante, que deixa uma linda lição de força, coragem e amor! Preciso destacar que a Edição, apesar de simples, é bem bonita. As ilustrações em preto e branco combinaram com os acontecimentos da história e deram um charme ao texto de Stella. Além disso, o livro é leve e a letra é grande, o que facilita a leitura dos nossos pequenos e jovens leitores. No site da escritora você encontra dicas de onde comprar. Clique aqui e confira! Uma curiosidade: O livro foi o vencedor do Prêmio Barco Vapor no ano de 2010, ficou em segundo lugar no Prêmio Jabuti no ano de 2012 e é indicado como Altamente Recomendável Para Jovens pela FNLIJ.

Universo dos leitores | Postagem: A guardiã dos segredos de família, de Stella Maris Rezende | 3 de junho de 2014

Disponível no Universo dos leitores

 
Guardiã da boa literatura
É impossível encontrar autora brasileira tão premiada e ao mesmo tempo com tão rara presença na mídia. Acontece que ela não faz concessões, não escreve livros óbvios, não frequenta grupos. Sabe que a arte exige liberdade e distância do poder, qualquer que seja – aliás, ela se mudou de Brasília para o Rio. Stella Maris Rezende, mineira de Dores do Indaiá, já conquistou os prêmios mais desejados e sérios de literatura infanto-juvenil do Brasil. Arrebatou o João-de-Barro três vezes, a primeira em 1986 com O último dia de brincar, considerado um dos dez melhores livros no gênero da década de 80 e, depois, um dos cem do século, além de reunir uma série de outras distinções (talvez seja o livro brasileiro mais laureado). Faturou tam- bém o Nestlé em 1988 com Alegria pura. Em 2010, a Dimensão, de Belo Horizonte, reuniu esses dois livros sob o título de Maravilhosa e inesquecível ideia de amar, com primorosas ilustrações de Demóstenes Vargas. Com Família contadeira de histórias, Stella ganhou em 2008 o Prêmio Literatura para Todos, do Ministério da Educação. De seus quase 35 livros, mais da metade tem o selo de Altamente Recomendável da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ). Isso é apenas amostragem.

Hugo Almeida

In: Suplemento Literário Minas Gerais, Secretaria do Estado de Cultura de Minas Gerais, maio/junho de 2012, Edição 1342, páginas 32-35.

 
Por uma jovem leitora Querida escritora Stella Maris Sou a Ana Luísa, mas todos me conhecem como Nanalu. Tenho 9 anos e gosto muito de ler. Eu li A guardiã dos segredos de família e achei tão interessante, tão extraordinário que vou usar uma palavra que uso para coisas tão boas assim: SUPERCALIXFRAGILISTIXPIALIDOCE!!! A parte que eu mais gostei foi: quando a Tia Delminda malvada pulou rápido da cama na hora que Nenezinha disse que sabia do segredo dela. E fiquei muito satisfeita de saber que foi uma menininha, a Nenezinha que salvou toda a família da inundação. Seu livro é muito bom e vou ler outros que você escreveu. Parabéns! Nanalu MR

Ana Luísa, leitora de 9 anos | 2013

 
Ao ler A guardiã dos segredos de família, botei reparo que cada um de seus livros traz uma gostosura: * A sobrinha do poeta – biscoitos de queijo. * A menina Luzia – ambrosia. * A guardiã dos segredos de família – ovos estrelados. Ovos estrelados! Confesso: fui procurar o que eram os ovos estrelados. Um barato, isso. Mais uma vez, arrasou! Justificadamente, merecido o Prêmio Barco a Vapor 2010, por essa obra, que versa sobre a saga de Nenenzinha, a tia menina pequenina, mas que fica enorme quando precisa livrar os sobrinhos das maldades da bela, muito bela, mas brava Delminda, Sua cunhada. A delicada força de Nenenzinha nos surpreende ao proteger os quatro órfãos dos mandos e desmandos da Bela Fera. E ela só consegue domar a bruxa por saber segredos sobre a bela megera. Com essa vantagem, a enorme pequena menina consegue proporcionar aos sobrinhos um pouco mais de comida, de brincadeiras e de sossego num ambiente áspero e austero. Enorme Nenenzinha fica mesmo é quando salva toda a família da enchente da represa Três Marias. Interessante a ordem cronológica da história. Por três vezes vai se falar da enchente, mas antes disso, conta-se sobre as muitas coisas que aconteceram, antes da inundação. Genial a expressão: árvore genial e lógica, usada para expressar árvore genealógica. Que criativo! Dar adjetivos, de acordo com a sua natureza, aos problemas enfrentados pelos quatro anjinhos, também foi de uma catilogência sem mensura.
“Deselegante problema”, referindo-se à falta de roupas. (p. 18)
“Amargoso problema”, referindo-se à escassez de comida. (p. 19)
Eu me divirto muito com a leitura de suas obras. É sempre um imenso prazer. Amanhã começo a ler A mocinha do Mercado Central. Um grande abraço da leitora, Jaqque.

Jaqque Monteiro | 2012

 
A guardiã dos segredos de família é um texto de ficção com estrutura contemporânea, não linear, muito rica em recursos de linguagem. O personagem principal é Nenenzinha, uma menina ainda. Ela é tia de quatro crianças, órfãs de mãe e abandonadas pelo pai, que sai mundo afora tocando sua sanfona. Todas passam então a ser cuidadas por Sebastião, irmão mais velho de Nenenzinha, e por sua mulher, a bela e cruel Delminda. Impaciente e preocupada apenas com a aparência, Delminda não poupa os enteados do trabalho doméstico e os trata muito mal. A pequena tia, de forte personalidade, já acostumada à aspereza da vida e se valendo de um segredo de família, se imbui então da tarefa de amenizar o sofrimento dos sobrinhos. Uma narrativa leve, contundente, cujos personagens possuem a força de arquétipos a sobreviver sobre os medos, rancores e sonhos.

In: Marketing da Fundação SM, 24 de agosto de 2010.

 

Comentários


bottom of page