top of page

Resenhas sobre "A poesia da primeira vez"


Stella Maris Rezende é eterno maravilhamento! Editora Passarinho
Sempre que vou escrever sobre um livro para crianças, aqui no blog, leio a história em voz alta, mas com "A poesia da primeira vez" eu não consegui, a voz embargada não me deixou. "A poesia da primeira vez", da editora Globo, texto da adorável Stella, ilustrações do Laurent Cardon e caprichada edição da Camila Saraiva, é dos livros para infância que mais me impactaram, impacto tão imenso que só consegui escrever agora. Pequenininha, a menina que adora palavras novas e quando as descobre vira estátua, passa por situações bem delicadas e a sua história poética mas sofrida desmistifica a felicidade infantil permanente. Stella, nesse livro de alma, poesia e da vida como ela é, retrata a criança com as suas descobertas reais:ruins e boas, como a vida. Stella, sobretudo, encanta e respeita a criança leitora com a história da Pequenininha. Os livros dessa fada das palavras é a extensão da Stella, uma mulher escritora encantadora. "Voos e sonhos na mata", meu primeiro livro juvenil, como editor na Passarinho, recebeu um texto de quarta capa inesquecível dessa mineira; e Stella foi além, como sempre em tudo o que faz, ela não só está na quarta capa como me ajudou imensamente no processo da edição como um todo. Enfim, meu amor por essa escritora daria outro texto e ele virá em breve, e como não bastasse, fui eu quem lhe deu a notícia do Prêmio APCA, que com isso, me tornei o "rapaz das boas notícias!" :>)) "A poesia da primeira vez" é uma história de amor. Amor de filha pra mãe, de mãe pra filha, de amigo pra amigo e de escritora para leitor. O leitor, ao se deparar com Pequenininha, que de pequena não tem nada, se agiganta com a poesia existente na vida de uma criança, que apesar de tudo, quer viver intensamente, quer estar atenta a tudo, quer ser criança. Stella, obrigado pela poesia e por iluminar, ainda mais, a infância. Eloí Bocheco estará no ninho na próxima sexta, 04 de março.

Blog Passarinho | Postagem: Stella Maris Rezende é eterno maravilhamento! | 26 de fevereiro de 2016

Disponível no Blog Passarinho

 
“Petrificada por um destino”, “Movida pela poesia da primeira vez”; essas e outras pérolas foram cultivadas por Stella Maris Rezende no seu mais recente texto infantil. Em “A poesia da primeira vez” (editora Globo, 2014), a autora nos conta os encantos e desencantos da vida de Pequenininha. Mais do que trazer a magia da “palavra” para o centro da narrativa, Stella a sustenta mostrando a realidade do dia a dia da personagem que, como qualquer pequeno leitor, faz amigos, se entristece, ou se alegra. Pequenininha se agiganta ao encarar a realidade e ler o mundo a partir da compreensão dos significados das palavras e da importância das verdadeiras amizades. Papais, vovós, dindos e titios, estão esperando o quê? É comprar e ler para seus pequenininhos.

Dag Bandeira, escritora, autora de “Visão distorcida”, entre outros | 2014

 
Garota de 10 anos recomenda livro sobre menina que vira estátua Nina Krivochein, 10 anos Especial para a Folha
"'A Poesia da Primeira Vez' fala sobre uma garota chamada Pequenininha, que virava estátua sempre que ouvia uma palavra nova. Era um jogo que ela inventou." É assim que Nina começa a fazer a recomendação de leitura publicada na folhinha (Folha de São Paulo), no dia 6 de dezembro. Quer saber mais? Confira tudo na folhinha | Folha de São Paulo

folhinha | Garota de 10 anos recomenda livro sobre menina que vira estátua, de Nina Krivochein | 6 de dezembro de 2014

 
Stella Maris Rezende reforça aposta nos personagens femininos Bia Reis As meninas estão novamente no centro das histórias da premiadíssima escritora mineira
A escritora Stella Maris Rezende tem uma predileção por personagens femininos, basta observar o nome de seus últimos livros publicados – todos premiadíssimos. A Mocinha do Mercado Central venceu o Prêmio Jabuti de 2012 em duas categorias: Livro do Ano de Ficção e Melhor Livro Juvenil. No mesmo ano, o segundo lugar na categoria Melhor Livro Juvenil também ficou com Stella Maris, com A Guardiã dos Segredos de Família. A Sobrinha do Poeta e As Gêmeas da Família receberam o selo Altamente Recomendável para Jovens, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) – e este último livro conquistou ainda o prêmio de Melhor Livro Infantojuvenil de 2013 da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). E não para por aí. A lista é imensa. Os dois mais recentes lançamentos da escritora, que nasceu em Dores de Indaiá, viveu muitos anos em Brasília e agora está no Rio de Janeiro, também contam a história de meninas. O primeiro deles, Missão Moleskine, com ilustrações de Adilson Farias, é para adolescentes. O segundo, A Poesia da Primeira Vez, ilustrado por Laurent Cardon, é para crianças – e para quem gosta de boa literatura. Apesar da frequência de personagens femininos, Stella Maris conta que não há uma “prévia deliberação” em dar voz às meninas e às mulheres. ”Acontece. Quando começo a reescrever o texto, e faço isso inúmeras vezes, constato essa forte presença feminina, o que acho muito bom, porque é natural na minha escrita e certamente é o resultado de minhas leituras, memórias e observações. Como disse Graciliano Ramos, ‘as nossas personagens são pedaços de nós mesmos’.” A Poesia da Primeira Vez apresenta Pequenininha, uma menina de 7 anos que adora brincar de estátua. Ela parava, de repente, sempre que ouvia uma palavra nova pela primeira vez, independentemente de onde estivesse. Aconteceu quando alguém disse “aliás” e ela estava olhando a vitrine de uma loja, admirando uma boneca que a mãe jamais compraria para ela. Aconteceu também ao ouvir “fracassado” quando estava dentro do ônibus com o pai, esmagada entre bolsas. A menina virava estátua no supermercado e até na rua, quando voltava da escola com dois amigos que sempre faziam o trajeto com ela. Num domingo, Pequenininha ouviu o pai comentar: “Só vou esperar a Pequenininha completar 8 anos. Em seguida vou embora desta casa”. O pai conversava com a mãe, e os dois achavam que a menina ainda dormia. Mas ela estava no corredor e escutou quando a mãe falou: “De certa forma, vai ser um refrigério pra mim”. “Refrigério” fez a garota virar estátua, com as mãos e o rosto encostados na parede. A Poesia da Primeira Vez mostra o encanto da menina com a descoberta das palavras e da própria vida. É um encanto tão poético que paralisa. Mas a descoberta – das palavras e da vida – não traz apenas coisas boas ou fáceis. Traz desafios, obstáculos. A garota, que ganha o apelido por causa de sua estatura pequena, de frágil não tem nada. É esperta, atenta e forte, muito forte. Stella Maris fala com a criança de maneira direta e honesta, sem didatismos nem desvios que adocem os fatos. Em meio à dor, Pequenininha descobre o valor da amizade. Pura poesia. Os temas mais difíceis, relata Stella Maris, sempre aparecem em seus livros. “Jamais tenho medo deles. Literatura é linguagem. Qualquer assunto pode ser tratado ao se escrever para crianças e jovens. A vida não facilita. A vida tem coisas complicadíssimas. Por que a literatura facilitaria? Um bom texto literário pode conter qualquer assunto, por mais doloroso que seja. O mais importante é o modo de tratar o assunto. Com delicadeza e cuidado artístico, a literatura é exercício de liberdade e magia das palavras. Não subestimo a sensibilidade e a inteligência de crianças e jovens.” Em seus desenhos, Laurent Cardon criou uma menina pequena, com um grande cabelo ruivo, espetado. Seus olhos de estátua percorrem as páginas que ora são mais claras ora mais escuras, conforme a trama avança.
Serviço A Poesia da Primeira Vez Escritora: Stella Maris Rezende Ilustrador: Laurent Cardon Editora: Globinho Preço: R$ 36
Missão Moleskine Escritora: Stella Maris Rezende Ilustrador: Adilson Farias Editora: Globo Livros Preço: R$ 39,90

Estante de Letrinhas | Postagem: Stella Maris Rezende reforça aposta nos personagens femininos | 12 de setembro de 2014

Disponível no Estante de Letrinhas

 
A poesia da primeira vez, de Stella Maris Rezende Isabela Lapa

Ao longo da nossa vida temos diversos dias inesquecíveis e marcantes, mas sem dúvida guardamos com mais carinho os momentos em que as coisas acontecem pela primeira vez: o primeiro dente, o primeiro passo, a primeira palavra, o primeiro dia na escola, o primeiro livro lido, o primeiro amigo, o primeiro beijo, o primeiro amor... Tudo que é novo, seja lá o que for, nos instiga e aguça nossas emoções mais variadas, que se refletem de formas diversas. É exatamente sobre a magia do desconhecido que Stella fala nesse livro! Nossa protagonista, a querida Pequenininha, que de tão pequena passou a ser chamada dessa forma e esqueceu seu nome verdadeiro, tem dois grandes prazeres: brincar de estátua e descobrir palavras novas. Com isso, cheia de imaginação e doçura, a cada vez que escuta uma nova palavra, fica petrificada como uma estátua e encantada pela "poesia da primeira vez". Ao longo da sua vida, nem sempre fácil e feliz, ela opta por prestar atenção nos pequenos detalhes e aproveitar cada descoberta e cada aprendizado...
"Ela adorava ouvir uma palavra pela primeira vez. Ficava paradinha na postura. Numa espécie de feitiço. Nem piscava os olhos."
Certo dia, um fato surpreendente e inesperado acontece e Pequenininha, de forma inexplicável, se torna uma estátua. Ora, mas por qual motivo se ela não havia escutado uma nova palavra? Pelo simples fato de que aos 8 anos de idade conseguiu comprovar a existência de um grande sentimento, o da amizade! Minhas Impressões: Quanta delicadeza... Quantos ensinamentos... Em poucas palavras e com a maestria que lhe é peculiar, Stella construiu uma história sobre descobertas, sobre a importância das palavras e do conhecimento, mas também sobre a magia da vida, que de fato está nos pequenos detalhes e na possibilidade de aprender algo novo a cada dia. A protagonista, tão nova e rodeada de problemas, é um exemplo de que a vida tem a cor que a gente pinta. Sem condições de ter muitos brinquedos, ela brinca sozinha e se diverte com as suas descobertas, encontrando nas palavras um conforto capaz de lhe deixar paralisada como estátua. Tem coisa mais gostosa na vida que se encantar pelo novo e se interessar por pequenos detalhes? Acredito que não... Principalmente quando os detalhes são a capacidade de aprender e de sentir... Acontece que o livro encanta não só pela mensagem que passa, como também pelo capricho com o qual foi escrito. Dá para perceber ao longo da leitura que cada palavra foi pensada e repensada, escolhida com carinho e atenção para tornar a história rica e especial. Stella é incrível, escreve de forma deliciosa, usando e abusando da imaginação! Não é atoa que seu nome significa "estrela", afinal, ela tem talento para brilhar, brilhar e brilhar... Também preciso destacar o trabalho do ilustrador Laurent Cardon! Os desenhos são notáveis, com cores singelas e ao mesmo tempo intensas, que foram utilizadas com muito charme e bom gosto, conferindo um toque especial para a história! Confiram... Encantem-se... Presenteiem... Como eu sempre digo, não existem livros para crianças e para adultos, mas sim livros para leitores que apreciam a literatura em todas as suas formas e possibilidades infinitas! Sendo assim, recomendo para todas as idades! Ah, se quiserem saber mais sobre a escritora e os seus livros, podem acessar o site dela. Tem muita coisa boa por lá!

Universo dos leitores | Postagem: A poesia da primeira vez, de Stella Maris Rezende | 10 de junho de 2014

Disponível no Universo dos leitores

 

Comentarios


bottom of page