top of page

Resenhas sobre "Esses livros dentro da gente"

“Esses livros dentro da gente”, de Stella Maris Rezende Ilustrações: Patrícia Melo Editora Imperial Novo Milênio [Recebido]
Livro fala de gente, fala de bicho, fala de coisa. Livro fala de sentimento, de crescimento, de pertencimento. Tem livro em casa, na livraria, na escola, na biblioteca… e tem livro dentro da gente? Tem! Stella Maris Rezende, com sua preciosa ternura no olhar, mergulha fundo nesses livros que existem dentro de nós. O livro, que tem como subtítulo “uma conversa com a pessoa que escreve”, é praticamente uma declaração de amor aos escritores. Um confissão da própria autora? Talvez. Mas, mais do que isso, uma celebração do ato de escrever histórias, escrever memórias, escrever presentes… dados, recebidos, vividos. Stella nos sussurra que escritor não é apenas alguém que escreve, mas principalmente alguém que lê e ouve. Lê as mãos, tal qual alma cigana. Ouve histórias, mas não apenas. “Tem que saber ouvir o motor de poesia do voo de um beija-flor… Tem que saber ouvir a tosse de um velho cego, a casca de laranja que lhe roda entre os dedos e a faca, o arranhar da gola do paletó no pescoço, o estalar da língua no céu da boca.” Mas só isso não basta. Há que se saber brincar, sonhar, tomar chá, colecionar poemas, gostar de chuva no telhado, ter paixão por palavras. E, como se não bastasse, tem que deixar o tempo passar, ser uma pessoa meio insatisfeita e ter a cabeça meio avoada. Stella faz uma ode emocionada e emocionante ao ato de escrever. Não há como não ler e não se sentir parte de um sentimento muito maior que une todos nós, escrevinhadores. E Patrícia Melo, frente ao desafio de dar formas à sensibilidade de Stela, nos brinda com imagens que aprofundam e enternecem ainda mais essa declaração de amor às palavras. É um livro para adultos e jovens. É um livro para escritores. É um livro para leitores. Mais do que tudo, é um livro para gente que tem alma sensível e sede de encantamento.

Ronize Aline - @ronizealine | Instagram | 29 de setembro de 2022

 
Página 55: Stella Maris Rezende escreve com ritmo, leveza, em estado puro de poesia, neste livro e em outros. Neste, a calejada escritora conversa com escritores em potencial, talvez os mais jovens, mas, mesmo nós, igualmente calejados e colecionadores de tantas glórias e inglórias do ofício, podemos, no mínimo, tirar uma casquinha do texto delicioso (mas não custa observar os "conselhos", sejamos humildes). De todo modo, a pessoa que começa a escrever ganhará muito com esse livro, e, ao contrário de nós, não só pelos conselhos, mas também pelo texto. #página55

Alexandre Brandão | Facebook | 29 de julho de 2022

 
Um livro maravilhoso! Não precisa ser lido do início ao fim, de uma vez só. Um livro para ser degustado aos poucos, lido, relido... Um livro para ser aberto em qualquer página e para ser lido a qualquer hora! São muitos livros e histórias que cabem dentro da gente! Esse está fazendo parte da minha vida. A narrativa e as ilustrações devem ser apreciadas! Permita-se ser afetada ou afetado pela leitura desse livro inspirador! ❤ Esses livros dentro da gente: uma conversa com a pessoa que escreve Autoria: Stella Maris Rezende @marisrezendestella Editora: @imperiallivros #imperialcomnicolas #leituradomundo

Tatyanne Ferreira - @lendocomnicolas | Instagram | 29 de junho de 2022

 
Esses livros dentro da gente – Stella Maris Rezende
Li de uma sentada só, saboreando, sentindo. É uma reflexão sobre o ato de escrever. O que vem antes. As leituras sem fim, a afinação da percepção. A captura do não dito, o sentido. O colecionar o aleatório, o estudar, aprender sobre absurdos. Depois o encontro com a busca, o anseio, a turbulência e a efervescência. Encontrar o risco. "Uma lamparina". "Um caco de pires." O medo, a insegurança, a incerteza, a necessidade. A dor, o silêncio.” Tem que ter paixão pelo silêncio”. É um livro declaração de amor na busca do verdadeiro ou daquilo que dá colo e cola. Encontrar o quentinho no coração depois da tempestade. A diversão mais louca da casa. É olhar o mundo pelo avesso do olho e ver brotar nas nuvens aquelas raízes mais fundas. “Tem que gostar de chuva no telhado” e escorregar na lama. Tatear a folha em branco e enxergar notas musicais no alvoroço da vida confusa e obtusa. Chorar, descabelar, entristecer e recomeçar. Rasgar, cortar, misturar. Costurar, pontear. Nadar no rio com os peixes voadores. “De todas as dúvidas. De todas as perguntas”. Fazer as coisas “aparentemente sem importância” ser o mais relevante. O motivo. A causa. O causo. “É preciso saber ler esses livros dentro da gente”. “Não tomar remédio para baixar a febre de escrever”. É livro para quem gosta de ler. Para quem deseja escrever ou já escreve. Um grande estímulo aos jovens estudantes. Investe no futuro escritor, esse artista dentro da gente. Ilustrações magníficas de Patrícia Melo. Único senão é o projeto gráfico. Especificamente a diagramação um tanto infantilizada, abusando das cores e desordenada. É um livro para qualquer pessoa que queira refletir sobre ler e escrever, merecia uma mancha de texto mais rigorosa e menos enfeitadinha. Mais sóbria, talvez. As ilustrações dão conta da beleza necessária. Mas isso é só palpiteco de xereta. O livro é maravilhoso.

Tereza Andrade | Facebook | 29 de junho de 2022

 

Comentários


bottom of page